|INFOGRÁFICO| 7 elementos da narração jurídica

Baixe nosso infográfico sobre os 7 elementos da narração jurídica na petição inicial e na contestação.

4 5.203
Não deixe de avaliar
  • 5/5
  • 1 rating
1 ratingX
1 2 3 4 5
0% 0% 0% 0% 100%

A redação forense, a narração jurídica, é de crucial importância aos operadores do direito.

 

Ganha maior importância, para nós, advogados, porquanto, com a petição inicial, comunicamo-nos com o juiz.

 

Expressamos nossos argumentos, de sorte a convencê-lo à procedência do pedido.

 

O mesmo se diz à contestação, haja vista, também, ter por norte se obter a improcedência do pleito.

 

Modelos de petições prontas

 

Nesse contexto, necessário alguns cuidados.

 

Por vezes, até mesmo, chega-se a não se obter êxito, tão somente por que a mensagem, confusa, imprecisa, inviabilizou esse desiderato.

 

Eu já havia gravado um vídeo com esse enfoque. Confira-o neste link.

 

Interessante também dar uma olhada no Manual de Redação da Presidência da República.

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de igual modo, tem interessante proveitoso material acerca da redação oficial, inclusive com dicas de português.

 

O Superior Tribunal de Justiça, do mesmo modo, tem seu Manual de Redação Forense.

 

Muito expressivo, idem, o Manual de Redação Oficial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios.

 

No site do Senado Federal, você encontra um excelente material com esse enfoque, sobremaneira quando aborda, com mais vagar, o português. Vale a pena conferir.

 

Por certo o arrazoado não pode ser rebuscado.

 

Todavia, tal-qualmente, deve-se evitar a linguagem chula, não comprometida com o mínimo rigor do vocabulário jurídico.

 

A propósito, tudo isso eu trato no meu curso gratuito de prática da petição inicial cível. Deseja conferir?

 

De mais a mais, inconcebível se empregar de linguagem recheada de jargões, ou aquela utilizada no cotidiano, em total desprezo à boa técnica da produção escrita.

 

Compartilhe

Compartilhe

 

Por isso, mostrarei algumas condutas adequadas à boa dissertação.

 

No caso, por meio de infográfico (imagens, de rigor, falam mais do que palavras), enfocarei os 7 elementos da narração jurídica.

 

Veja o que será comentado:

 

  • Quando = referente ao momento que ocorreram os fatos;
  • Onde = o local em que sucederam;
  • Quem = a precisão dos personagens envoltos;
  • O quê = diz respeito à pormenorização dos fatos;
  • Como = a forma, concatenada, do enredo fático;
  • Porquê = o motivo que deu ensejo ao acontecido;
  • Por isso = as consequências decorrentes do fato.

 

Se você achar conveniente, pode baixar este infográfico. Guardá-lo consigo para ulterior consulta, se necessário.

 

Baixar infográfico sobre os 7 elementos da narrativa jurídica - Prof Alberto Bezerra

 

Se possível, deixe seu comentário ao final deste artigo. É importante ouvi-lo, atentar-me a sugestões de outros temas a serem tratados.

 

Confira o infográfico sobre os 7 elementos da narração jurídica

Incorpore no seu site

Infográfico - 7 elementos da narração jurídica - Prática Forense Civil - Prof Alberto Bezerra

Infográfico - 7 elementos da narração jurídica - Prática Forense Civil - Prof Alberto Bezerra

Incorpore no seu site

4 Comentários
  1. Helio Alves Felipe Felipe Usuário diz

    Exmº Sr Dr Profº ALBERTO BEZERRA

    Sem falsa modéstia, comentar o seu trabalho, requer profundo conhecimento jurídico e responsabilidade, pois, todos são maravilhosos. São de clareza solar e de vital importância, não só para os recém formados, mas, para todos os veteranos operadores do direito.

    Obrigado Mestre!

    Helio Felipe

    1. Alberto Bezerra Usuário diz

      Obrigado, a você, colega Hélio, há um tempo acompanhando o trabalho desse seu amigo. Um forte abraço.

  2. Valdenir Santana Usuário diz

    Como sempre, excelente texto do Prof Alberto Bezerra, contribuindo e muito com nosso crescimento profissional.Obrigado Mestre.

    1. Alberto Bezerra Usuário diz

      Muito grato. Um abraço.

  3. […] também, um infográfico que produzi, no qual trato desse […]

Deixe uma resposta